Prism

 

O que eu sempre digo às pessoas próximas a mim, é que sou uma pessoa de opinião e gênio forte. Minhas palavras têm força. Raras são as vezes que volto atrás no que digo ou faço, porque, antes de exercer, penso tudo com muita parcimônia (e se eu tô fazendo a bicha pedante em Língua Portuguesa, eu quis dizer que penso tudo com total moderação antes de falar algo). Guardem essa informação, porque será necessária mais adiante.

E é assim que começo a descrição + crítica perante o início da nova tour da Katy loja de doces Perry. Nunca fui fã da indivídua, seja pela personalidade, pelas músicas, pela composição em si. Nada. Absolutamente nada me agrada na dita cuja. O asco que peguei surgiu com a ascensão do seu álbum anterior, o “Teenage Dream”. Achava que aquele exagero de cor, de doce e de “mimimi” infantil demais… Pueril a ponto dela ser eleita a nova Rainha dos Baixinhos (sai debaixo, Xuxa Satânica).

Mas acho que com a chegada de seu novo álbum de estúdio “Prism”, Katy me tem feito acreditar que sempre há uma luz no fim do túnel… Ou um cupcake ambulante, no caso dela. Bom, depois eu continuo a minha opinião sobre a evolução “Katy Perryana”. Vamos ao show!

Ontem, a “Prismatic World Tour” teve seu primeiro show em Belfest – Irlanda. E já logo digo que o show deu o que falar! Primeiramente, quem abriu o show foi ninguém mais, ninguém menos, que a dupla Icona Pop… É, aquelas duas do “I don’t care!” que você sempre canta enlouquecidamente na balada; uma estrutura cênica dexxxtruidora feita com telões de LED que formavam um triângulo + uma passarela (também em forma de triângulo) denominada como “Reflection Section” que, dentro, abrigava alguns fãs (como a Monster Pit, na Born This Way Ball, lembram? Se não: acesse aqui, rs); 10 trocas de figurino e perucas, muitíssimos efeitos especiais, performances divertidas (e ultra coloridas) para as 22 músicas da setlist, contando, inclusive, com canções dos álbuns anteriores e muito mais. Tudo muito digno, então, que tal conferir?

Cartaz do show

10325303_10152087017406466_2917519617046545538_n

Reflection Section + estrutura do palco

Pictures1
10177486_807102169302302_7920288514896551799_n(Fonte: Katy Perry Brasil)

Os figurinos

Pictures2(Fonte: Katy Perry Brasil e Papel Pop)

figurino 2(Katy travestida de “Firework” (aqui em casa a gente fala rojão mesmo))

10295684_10152088988501466_1740734787660477067_n

Pictures3(Katy brincando de gato mia (não))

Pictures4(Fonte: Katy Perry Brasil)
figurino 7 8 9(Fonte: Papel Pop)

figurino 6(Por fim, mas não menos importante, a Katy num “Dark Horse” dourado… É, pois é)

Setlist
(Atenção: apenas algumas músicas contêm link para vídeo)

1. “Roar
2. “Part of Me”
3. “Wide Awake”
4. “This Moment/Love Me”
5. “Dark Horse”
6. “E.T.”
7. “Legendary Lovers”
8. “I Kissed a Girl” + “Hot N Cold”
9. “International Smile” teve um mashup com “Vogue” da Madonna
10. “By the Grace of God”
11. “The One That Got Away”
12. “Double Rainbow”
13. “Unconditionally”
14. “Walking On Air” + “It Takes 2”
15. “This is How We Do”
16. “Teenage Dream”
17. “California Gurls”
18. “Birthday”
19. “Firework”

consideraçÑoes finais modelo 2

Bom, para terminar, é aqui que retomamos o que eu havia pedido a você, caro leitor Psycho, para não esquecer. Não sou uma pessoa que costuma voltar atrás no que diz, mas eu tenho de assumir que a Katy Perry merece, sim, os devidos créditos pela maravilhosa turnê que pretende fazer ao longo dos próximos meses. O espetáculo de ontem foi digno o suficiente para merecer os devidos aplausos de pé.

Não só por isso. Apesar da decepção que tive com o “Teenage Dream”, eu tenho, cada vez mais, me aproximado do “Prism”, por motivos de: não sei, só sei que tá bom, tá legal de se ver. Isso serve para que eu, e muitos que julgam precipitadamente, pagarem a língua, pois nunca se sabe quando algo pode te surpreender, principalmente aquilo que você não aprecia… Essa é uma lição pra vida. Não seja tão radical. Deixa a mulher ser feliz! Temos de encarar que ela sai do T.N., mas o T.N. não irá sair dela.

A Katy merece o reconhecimento pelo incrível trabalho que vem fazendo com este novo álbum. Seja com as músicas, seja com as produções. É, talvez nos clipes não, porque o vídeo de “Dark Horse”, pra ter salvação, só com muita reza, mas, tirando isso, tá tudo ótimo. Valeu, Katy, e foi mal ae por ter te chamado de cupcake ambulante… É um outro jeitinho de te chamar de “gostosa”, quem sabe.

Obrigado, psychos, e até a próxima!