Laranja Mecânica

 

Bowie livros

“Look up here, I’m in heaven”

Era de madrugada quando eu recebi uma notificação da BBC no celular: “Bowie morre aos 69 anos”. Achei que fosse trote, mentira, brincadeira sem graça, ele tinha acabado de lançar um novo álbum. Mas logo veio a confirmação. Mais uma lenda foi embora.

david bowie

David Bowie (1947-2016) era cantor, compositor, ator e produtor musical. Um ícone, o camaleão do rock. Lançou 26 álbuns e 51 clipes. Influenciou milhares de outros artistas. É impossível você não conhecer pelo menos uma música dele. Não precisa saber recitar sua biografia para reconhecer a importância dele.

Bowie influenciou a geração da minha mãe e a minha na música, no cinema, na moda, no comportamento … Quantas vezes você já leu um livro e o personagem falava dele? A primeira pessoa a me apresentar o Bowie foi minha mãe e em duas ocasiões distintas: 1) ouvindo suas músicas em casa quando eu era mais nova; 2) quando me fez ler Cristiane F.

E essa brisa enrolada é para falar sobre isso. Bowie fez uma lista com seus 100 livros favoritos, de graphic novels a estudos. Ela não está em ordem de importância, então eu selecionei alguns para colocar aqui (a lista completa e em inglês você pode conferir aqui).

Laranja Mecânica de Anthony Burgess
Ilíada de Homero
Tadanori Yokoo de Tadanori Yokoo
1984 e Dentro da baleia e outros ensaios de George Orwell
Enquanto Agonizo de William Faulkner
A Terra Desolada de T. S. Eliot
On the road de Jack Keouac
Madame Bovary de Gustave Flaubert
Inferno de Dante Alighieri
O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald
Lolita de Vladimir Nabokov (Obs: não é um livro que exalta a pedofilia ok? O ponto de vista do livro é da mente perturbada de um pedófilo)
Os Evangelhos Gnósticos de Elaine Pagels

E antes que perguntem, sim tem mais autoras mulheres na lista, mas não achei edição dos livros delas em português. E isso diz muita coisa. Mas enfim …

E não, não é o ano, é a nossa geração. Se você admira, ama, adora, acompanha, idolatra qualquer criatura ícone dos anos 60/70/80 que ainda está viva, você provavelmente vai vê-la partir. Pelo menos temos o privilégio de conviver no mesmo tempo que muitas. (Angus Young segura as pontas ai querido, ainda preciso ver um show do que restou do AC/DC)

Cantava Cazuza: “meus heróis morreram de overdose” (imagina que sensacional tomar uma breja com o Cazuza?). Parte dos meus morreram de overdose ou problemas com álcool ou complicações devido ao HIV.

Desculpa ser a saudosista chata do role, mas é triste pensar que lendas estão nos deixando. A maioria das músicas que marcaram alguma época da minha vida, aquelas que você arrepia toda vez que escuta, são de um tempo que eu não vivi. Queria entender essa mania de se conectar e sentir falta de uma época que nem éramos nascidos.

A morte do Lemmy foi triste, mas não tão chocante quanto a do Bowie. E nem ver ser o chato do “ahhhhhhhhhh nossa agora todo mundo virou fã de X, Y ou Z”. Lendas, ícones ou o qualquer denominação que você goste de usar, tem o poder de alcançar um grande número de pessoas em algum momento da sua obra. Você pode até não gostar, mas conhece alguma música dessas pessoas.

Para alguns ele apenas voltou para o seu planeta natal 😉

“We can be Heroes
Just for one day”







 

01
Ante ontem fui a exposição do MIS – Museu  da Imagem e do Som de São Paulo, para conferir a exposição do Stanley Kubrick que foi um cineasta, roteirista, produtor de cinema e fotografo. Seus filmes fizeram grandes sucesso e se tornaram clássicos, como “Laranja Mecânica”, “O Iluminado”, “Lolita” e entre outros.

A exposição é incrivelmente rica em detalhes, você fica fácil mais de uma hora ali e consegue achar algo que não tinha visto antes. São separados por sala, tendo cada uma um tema diferente referindo-se ao filme ali exposto, vale realmente a pena, é incrivelmente rico.

Separei umas fotos abaixo para vocês conferirem, espero que gostem.

1011096_621134234601262_823551151_n 1555447_621135824601103_2016269382_n 1497591_621135854601100_597937825_n 1012688_621136117934407_228800846_n 1526416_621136044601081_166396087_n 1560607_621136241267728_1408490991_n1504563_621133741267978_469975824_n 1525032_621134161267936_1014214570_n1560492_621136537934365_1571662069_n 1485114_621138084600877_1546206128_n
1173635_621138114600874_1998365762_n1506661_621138597934159_996229561_n 1485109_621138351267517_454583712_n1555466_621133954601290_842991800_n 1501675_621133991267953_1873769521_n 1459979_621134037934615_263078404_n1483361_621136447934374_889401233_n1016347_621136467934372_833955604_n1488324_621136497934369_1610773690_n

A exposição vai até dia 12, este domingo, mas por conta de seu extremo sucesso ira ficar aberto até as três da manhã, vale a pena ficar na fila.

Preço:
Inteira – R$ 10,00
Meia – R$ 5,00
 Endereço: 

Avenida Europa, 158 – Pinheiros, São Paulo – SP, 01449-000
(11) 2117-4777