brasil

 

01. você acha que a qualquer momento vai acordar no seu antigo país
A todo momento, principalmente nas minhas primeiras semanas aqui em São Paulo, eu achava, literalmente, e teve até umas duas vezes em que eu acordei achando que eu estava em Londres. Até eu me tocar depois daqueles cinco segundos em que o cérebro começa a raciocinar que não estava mais.

02.  parece que você teve duas vidas
Eu tive uma vida aqui aonde cresci, estudei, tive/tenho meus amigos e a minha família. E outra em Londres, onde estudei, também tenho meus amigos e por sorte também tenho minha família. É como ter duas histórias em dois lugares, de modo literal, são dois continentes diferentes,  duas culturas distintas, línguas e tudo diferentes e vivido tudo de novo, e de forma nova com outras pessoas.

 03. você viveu muitas, MUITAS coisas, mas a sua vida daqui ficou parada
Quando você volta o que você mais sente primeiro, pelo menos o que eu mais senti, logo de cara, é que eu tive várias experiências, mudei radicalmente e a vida que eu deixei aqui no Brasil um ano atrás continuou igual. Não mudou nada.

Captura de Tela 2017-03-06 às 23.36.53
04. você se sente fora do ninho
Depois de quase dois meses que estou de volta me sinto uma completa fora do ninho. No meu próprio país. Sendo que estava morrendo de saudades dele, do povo dele, da cultura, dos meus amigos, dos meus bichos, da comida e de tudo nele. Mas mesmo assim eu continuo me sentindo estranha. Porque eu mudei tanto, amadureci e vivi tantas coisas que está difícil encontrar alguém que esteja na mesma sintonia do que eu. 🙁

05. você sentirá falta da sua segunda casa
Mesmo que você recuse, porque afinal você ficou por tanto tempo com saudades da sua casa natal, você vai começar aos poucos a sentir saudades daquela que foi a sua segunda casa por tanto ou por pouco tempo, mas mesmo assim foi. coracao-1_xl








 

Oláá!! Quinta-feira e sempre tem vídeo no canal para vocês, ok que não atualmente porque esses últimos meses tem sido uma loucura com despedidas e reencontros. Vocês que tem me acompanhado sabem do que estou falando. Mas enfim separei um tempinho e gravei um vídeo tão pedido por vocês e até por uns amigos meus, agora respondi todos. 😀

Espero que gostem.








 

Durante muito tempo eu acreditava fielmente que não me encaixava no Brasil, simplesmente, por ser mais quieta e na minha. Não ir em todos os almoço de família, e nem ser daquelas que curte festa, folia e pular carnaval durante todos os 7 dias. Enfim, todos esses estereótipos que sempre escutamos dentro da nossa própria sociedade do que forma um “real” brasileiro. E  cá entre nós escutamos estes mesmos adjetivos aqui fora também.

Durante muito tempo eu tentei me encaixar as estes estereótipos, a minha adolescência toda até os meus 19 anos mais ou menos, eu usava roupas e meu cabelo de forma que acreditava que era mais aceitável. E até a maneira de me portar e meus pensamentos eram desta forma. Até que um dia eu parei. Comecei a fazer com o meu corpo o que eu sempre quis, fazer com o meu cabelo o que sempre tive vontade, usar as roupas que eu sempre queria. Comecei a ler, pesquisar e me aprofundar em temas que sempre me despertavam dúvida e ninguém conseguia tirá-las para mim. Enfim, comecei a ser eu mesma.

Foi exatamente aí que me senti mais excluída ainda. Fui taxada com vários novos estereótipos. Surgiram pessoas falando que eu não parecia ser do Brasil, como se isso fosse elogio, me chamavam de “gringa” e tinha outras pessoas falando (querendo me botar pra baixo) com comentários do tipo: “por que você fez essa tattoo?” ou ” por que você fez isso com o seu cabelo? Vai cair, hein!” e por ai vai. Nessas horas eu sempre utilizava o grande e maravilhoso “foda-se”. Afinal a gente só tem essa vida e estamos nela para sermos felizes, e não sabemos o dia de amanhã, então vamos aproveita-lo o máximo e fazer o que bem entender das nossas vidas e respeitar o próximo.

Porém, depois que eu vim pra ca (Inglaterra) e essas questões voltaram a minha mente. Parei e pensei “mas o que é ser brasileiro?” ou melhor..” o que é ser latino americano?”. Vejamos, o Brasil é um país raízes indígenas, uma cultura extremamente rica e completamente diferente, nossas frutas e muitas de nossas palavras vem graças a eles, a nossa população asiática no Brasil cresce 173% , o Brasil é o país com mais pretos depois do continente Africano, e foi construído por imigrantes não só da Europa, mas também por nossos países vizinhos como Bolivia, Paraguay e Argentina.

Então, você para vê tudo isso, toda a nossa história e realmente acredita que brasileiro é uma única coisa só? 

f2a40b85dcaefd32ff361371467c6cf6
A gente está e existe em diversas formas, tamanhos, jeitos e escolhas. E temos o nosso diferencial, que a Europa e os Estados Unidos não tem. Estamos misturados. Somos misturados. A gente é latino e existimos de todas as formas aqui e não dentro de uma única caixinha chata. Graças.

Já aqui em Londres é bem raro você ver isso, mesmo a cidade sendo mais pra frente e aberta, não é como no Brasil ou qualquer país da America Latina que temos essas misturas de raças e que deixa tudo mais lindo. Vou dar um exemplo simples, aqui eles tem uma “chinatown”, e é apenas uma única rua. Enquanto em São Paulo (minha cidade) tem dois bairros asiáticos, Liberdade e Bom Retiro.

Aqui não existe essa de “to aqui perto da sua casa, posso passar ai?”, ou almoço de domingo com a família, ou de dormir na casa do seu amigo quando ta tarde. Ou até mesmo de falar tudo que você acha na cara do seu amigo quando você está bravo. A bela sinceridade.

Eu nunca entendia quando meus amigos que moravam fora, e quando iam me visitar no Brasil, falavam pra mim as amizades daqui parecem ser mais verdadeiras” ou ” brasileiro parece realmente saber viver“. E vou contar mais. Uma pequena história. No meu primeiro dia em que cheguei aqui no avião conheci uma mulher que sentou ao meu lado e ela era inglesa, mas morava na Argentina já fazia uns 4 anos. E quando eu perguntei o porque disso ela simplesmente falou que os ingleses não sabiam viver. Completou dizendo que na  Argentina e as pessoas da America Latina (porque ela já tinha viajado praticamente a America Latina toda) sabiam viver cada dia de cada vez, o presente, e tinham o famoso “calor”, que nada mais é do que empatia.

E não era a primeira pessoa a falar isso para mim, sabia? Minha avó, no caso a minha abuela, já que ela veio da Espanha junto com o meu abuelo, sempre dizia que nunca mais iria voltar para lá, só para visitar. Porque realmente gostava das pessoas do Brasil. E na Espanha as pessoas não são tão próximas como são aqui, e não se ajudam, etc. Porém, eu sou cabeça dura (taurina), ou simplesmente prefiro vivenciar e ter as minhas próprias experiências para chegar as minhas próprias conclusões. E depois de quase 6 meses aqui..não é que todas essas pessoas, e todos os vídeos e textos que vemos das pessoas falando da America Latina estavam certos?

Não adianta você ter a melhor educação e ser a pessoa mais simpática do mundo se você não tem empatia. Isso nasce com você. A gente, da america latina, sofreu muito e ainda sofre. E não sei se é por conta disso ou exatamente o porque, mas não tem pessoas como nós. Você pode até procurar, mas somos únicos. 








 

large-7

Desda minha primeira semana que cheguei aqui queria escrever este texto, mas esperei passar um tempo para conhecer mais pessoas e fazer mais amigos. Descobrir outras culturas e o que eles sabiam, e a conclusão foi basicamente a mesma do começo. Precisamos urgentemente ter mais orgulho dos nossos professores de história e de geografia, seríssimo. E consequentemente das nossas escolas.

Brasileiros adoram falar que é tudo de primeiro mundo, e logicamente pensam que escola de primeiro mundo não tem defeito algum. Mas estão muitíssimos enganados. Por que eu digo isso? Pelo simples motivo de que estou cansada de explicar para praticamente todo europeu ou asiático, que conheço, que no Brasil nossa língua mãe não é espanhol e sim português, e que em Julho e Junho é inverno para nós e não verão.

Outro dia mesmo estavamos na sala comentando sobre as típicas festas de cada país, e acabei comentei sobre a festa junina, que nada mais é para celebrar o inverno. Traduzindo para o inglês o nome seria algo como ” june party”, na hora minha amiga olhou pra mim e perguntou “ué, por que vocês comemoraram o inverno no verão? Não faz sentido!”. Sim, eu não estou brincando.

Eu sempre fico pasma com tão pouco de informação que eles sabem sobre os outros países. Por exemplo, eles não sabiam qual era o significado/ação da palavra colonização, e que nem o Brasil e os outros países da America Latina tinham sido colonizados, tentei explicar para eles, mas mesmo assim eles não entenderam. E ficou para meu professor explicar.

O que reparei em um mês e meio aqui é que nossos professores são muito bons, e até mais espertos do que os daqui. Porque aqui eles só aprendem sobre os próprio país e ignoram que tem um resto do mundo inteiro. O que é bem triste, cai entre nós.

Outro ponto muito interessante é que sempre ouvi frases de próprio brasileiros como ” Deus estava criando o Brasil, um país sem terremoto, sem vulcão e sem tornados. Ai perguntaram para ele ‘ que lugar perfeito, sem nenhum defeito. Logo ele  ele respondeu ‘ é porque você não viu o povo que eu vou botar lá'”. Juro que não tem frase mais deprimente do que essa.  Por exemplo, mesmo se a pessoa for teu melhor amigo e estiver passando do lado da tua casa ela não vai te mandar uma mensagem pra te avisar, só se ela for da america latina ou for da personalidade dela mesmo. Pra alguém ir na sua casa ou você ir na casa dela é só ela te convidando e vice-versa e depois de se conhecer durante um certo tempo. Além de que quando eu ofereço ajuda alguém ou empresto algo as pessoas ficam meio que surpresas, e sempre ficam agradecendo como se eu tivesse fazendo o maior feitor da terra. Sério.

Aqui não tem essa coisa de sentar e conversar cara a cara, ser sincero 100%. Se você tiver problema com alguém eles preferem mandar e-mail ou mensagem. Sim, isso mesmo. O que eu acho muito esquisito. Já que eu sempre prefiro conversar e resolver qualquer problema que tivesse com a pessoa cara a cara, mas eles acham essa atitude extremamente rude.

As pessoas quando veem visitando aqui adoram falar que o inglês é super educado, e sério eles realmente são. Mas não confundam educação com empatia. Toda as vezes que eu estive no metro ou em qualquer outra situação e vi alguém passando por alguma situação que precisava de ajuda nenhum, repito nenhum inglês se voluntariou para ajudar, geralmente são sempre imigrantes que ajudam.

E outro fato que estou achando é que a cidade de Londres é extremamente parecida com São Paulo. Por exemplo, aqui também fazem fila para tudo, mas a diferença daqui e para São Paulo é que aqui eles te apressando.  Um dia eu e minha amiga estavamos em um festival, e ela quis ir comprar uma cerveja e ela queria pagar com moeda. No mesmo momento as pessoas do lado começaram acelerar ela e apontar para a carteira dela mostrando para o caixa que ela tinha nota. E eu já passei por coisas parecidas também.

Por isso que digo, pessoas brasileiras, na verdade, pessoas da america latina de modo geral são especiais e não são encontradas facilmente na europa e nem no resto do mundo. A gente deveria se orgulhar mais da nossa empatia pelo próximo. Das nossas músicas, das nossas diferenças, e do que aprendemos nas escolas, e também por aprendemos outras línguas. Poucas pessoas daqui sabem mais do que a própria língua.

E acredite ou não, mas as pessoas que me fizeram gostar mais do Brasil e dar mais valor a eles foram os gringos. Pois toda as vezes, apesar deles não terem noção de geografia e de história que eu falei que era brasileira eles sempre falavam de como as pessoas de lá eram boas e sempre falavam com muito carinho. Além da extrema vontade de conhecer a America Latina no geral. Outro ponto interessante é que eles preferem o português brasileiro ao português de Portugal.

Então me questionei, se pessoas que nem são nativas amam tanto meu país porque eu e tanto outros não o amamos assim?

E sobre as semelhanças entre São Paulo e Londres o que posso adiantar é que aqui o transito é pior, a comida é pior, as pessoas não se ajudam, e a qualidade do metro é pior. Mas temos mais linhas de metro, as pessoas falam mais obrigado e licença (porque tem uma enorme diferença entre simpatia e empatia), e a cidade é mais limpa no geral etc etc, mas esse tema fica para outro dia.