Olá, pessoal ! Chegamos à parte final do especial com contos de terror. Seguindo a tradição, deixei o melhor para o final.  São esses os cinco contos de terror mais legais e perturbadores que já li. Aí vai !

  1. O cone , de H.G Wellssr-horrocks-e-o-sr-raut

    Horrocks é um siderúrgico  poderoso e  autoritário que escuta em sua própria casa a esposa declarando seu amor  por  Raut, um amigo da família. Sem saber se ele tinha escutado realmente a declaração, Raut e a esposa de  Horrocks  decidem fingir que nada aconteceu, já que os três mantinham uma relação de amizade. Para tentar  consertar o  problema, Raut diz que só tinha ido até a casa dos dois porque o amigo tinha que mostrar uma  paisagem incrível,  vista apenas entre as chaminés de uma das siderúrgicas que Horrocks administrava.  Dissimulado, Horrocks diz que  vai aproveitar a chance para mostrar ao amigo ” o cone”, uma das coisas mais  incríveis já feitas- que vai servir bem  para uma vingança.

 

4. O rapa-carniça, de Robert Louis Stevenson

The-Body-Snatcher

Confesso que fui atraída para ler o conto mais pelo nome diferente que por qualquer outra coisa, mas tive uma surpresa muito positiva lendo a história. Fattes e MacFarlane são dois estudantes de medicina que ganham prestígio e popularidade como assistentes de um professor fazendo serviços nada honestos: roubando corpos. Apesar de ficarem bastante em dúvida durante um tempo sobre manter ou não o trabalho, acabam se acostumando e perdendo a empatia em relação aos outros. Um dia, ambos descobrem a chance de roubar um defunto recém-enterrado em um cemitério. Os dois fogem levando o corpo, no entanto, descobrem que existe algo de muito errado com o cadáver  que estão carregando.

 

 

3. O gato preto, de Edgar Allan Poe

e_a__poe__s___the_black_cat___by_pika_la_cynique Quando li da primeira vez fiquei relativamente nervosa porque se trata de um conto que descreve bem a perversidade e a  loucura do ser humano com cenas bastante gráficas. É inevitável não imaginar o tamanho da crueldade que o protagonista  aplica nos outros personagens ao redor. Somos conduzidos pelo  relato de um homem alcóolatra que conta a maneira com que  sua vida se alterou radicalmente depois de ser consumido pelo vício. Cada vez mais insano, o homem ( que faz com que o leitor  morra de vontade de que ele seja castigado) acaba por descontar a sua fúria infundada em Plutão, gato de estimação que se  torna uma vítima depois de provocar nele inúmeras mudanças de humor. No entanto, a morte do gato- e também os outros  crimes que cometeu- traz à ele uma série de pesadas consequências que fazem a loucura bater ainda mais à sua porta por causa  de um remorso avassalador.

 

 

A família do Vurdalak, de Aleksei Konstantinovitch Tólstoi

capa vurdalak 2

O autor não é o  mesmo Tólstoi de Guerra e Paz e Anna Karenina, mas nem por isso a história deixa de ser boa. Somos  apresentados a um grupinho de pessoas reunido em torno de uma fogueira para ouvir as aventuras do Conde de Urfé, diplomata muito viajado. O  conde, incentivado pela companhia dos amigos, decide contar sobre o tempo em que ficou hospedado na casa de  uma família sérvia e escapou de ser devorado por vampiros.
O vurdalak, vampiro da história, é daqueles bem tradicionais que ressucitam depois de dez dias e precisam de permissão    para entrar na casa da vítima, que ele convence na base de jogos psicológicos extremamente fortes. É realmente muito legal  ver como evoluem os jogos e argumentos com os personagens que tentam resistir. Depois de uma batalha contra um grupo  de malfeitores turcos, o patriarca da família morre e seus filhos acabam ignorando o aviso de que deveriam matá-lo caso  retornasse fora do prazo previsto, permitindo que ele entre e saia da casa quando deseja.
A partir daí, o pai manipula e aterroriza todos os parentes para que façam o que ele quer. Enquanto o Conde tenta achar um meio de fugir para não ser devorado vivo, o cerco vai se fechando cada vez mais no entorno da família.

1 a mão do macaco , de W.W. Jacobs

crbst_HERBERT_201 Eis o campeão de pavor noturno e olhadas desconfiadas para o cabideiro no quarto durante a noite. É um conto que fala  principalmente sobre como o destino rege a vida das pessoas e como podemos nos arrepender por tentar alterá-lo. Não sem  motivo, é um dos contos de terror mais famosos de todos os tempos. A família White recebe Morris, militar britânico voltando  de uma viagem à Índia. Durante a visita e o bate-papo, o oficial decide desfazer-se de um amuleto macabro que carregava,  causando curiosidade nos demais. O amuleto- a mão enfeitiçada de um macaco- seria  responsável por realizar 3 desejos ao  seu dono, mas conceder 3 horríveis consequências. Ao ver Morris jogando a mão na lareira, o sr. White pede para ficar com  ela. Relutante, Morris aconselha que o amigo volte a colocá-la no fogo e não mexa com a mão enfeitiçada. Ignorando o pedido,  assim que Morris vai embora White testa o amuleto e pede à mão  que a hipoteca de sua casa seja paga. No dia seguinte, o  casal tem o desejo atendido da pior maneira que podiam imaginar. Na tentativa de consertar o que foi feito, eles pedem  novamente a ajuda da mão. Mas nenhum deles realmente esperava o que poderia acontecer por conta do novo pedido.

 

Gostaram? Curtam, comentem e compartilhem! Se tiverem vontade de ler os contos na íntegra,  é possível encontrar os contos citados aqui em livros à venda em livrarias ou sebos:

Contos de Horror do Século XIX (2005), organizado por Alberto Manguel. Companhia das Letras. Tradução: conto traduzido por Nina Horta.

Histórias Extraordinárias (2011), de Edgar Allan Poe.  Saraiva de Bolso. Tradução de Clarice Lispector.







 

htgawm-cover
Hoje vim falar de uma série que simplesmente não consegui largar um dia se quer até chegar no último episódio e já estou morrendo por que quero mais, e muito mais. E acreditem não é do netflix.

How to Get Away with Murder acompanha a vida pessoal e profissional de Annalise Keating, uma professora de Direito Penal da fictícia Universidade de Middleton, na Filadélfia, uma das mais prestigiadas Escolas de Advocacia na América. Ela trabalha como advogada, obviamente. E neste ano Annalise seleciona um grupo de seus melhores alunos de sua turma da universidade para trabalhar em seu escritório. São eles: Connor Walsh, Michaela Pratt, Asher Millstone, Laurel Castillo e Wes Gibbins.

Em sua vida pessoal, Annalise vive com seu marido Sam Keating, um renomado psicólogo, mas também vive um relacionamento às escondidas com Nate Lahey, um detetive local. Quando sua vida pessoal e profissional começar a entrar em colapso, Annalise e seus alunos se verão envolvidos, involuntariamente, em uma trama de assassinato.

how-to-get-away-with-murder
A série, intitulada pelos fãs como HTGAWM, é transmitida pela ABC desde 25 de setembro de 2014. Foi criada por Peter Nowalk, tem como produtora executiva Shonda Rhimes e distribuído pela ABC Studios. Devido o contrato de Viola Davis as temporadas não podem ser muitos longas, podendo ter apenas 15 episódios e no máximo 16.

A série por enquanto tem duas temporadas, a segunda está em hiatos e volta dia 11 de fevereiro nos Estados Unidos, no Brasil a segunda temporada está sendo transmitida no canal pago Sony. Abaixo deixei o trailer da primeira temporada. 🙂

Onde assistir: aqui







 

Não, não é mês das bruxas e nem dia dos Mortos, mas a literatura de mistério e terror é sempre uma boa alternativa para aproveitar o tempo se divertindo – ou morrendo de medo. Por ser começo de ano – em que muita gente está de férias ou com mais tempo para descansar- tomei a liberdade de separar alguns contos de terror do século XIX que, mais de 100 anos depois de sua criação, ainda conseguem deixar quem lê pensando em alguma  coisa que está à espreita na hora de dormir.

Particularmente, gosto muito do tema terror porque geralmente envolve contos rápidos, com poucos personagens- para serem lidos em qualquer lugar- e com  um enredo que depende especialmente da imaginação do leitor para ficar mesmo aterrorizante. Se o leitor não se incomoda com o que a história sugere, a narrativa se torna comum. Por isso esses contos do século XIX são especiais: passaram por gerações que completaram com os próprios medos a perturbação que o autor da história tentou passar. Prontos? Lá vêm eles!

  1.  A tortura pela esperança, de Villiers de L’Isle Adam
    TortureOfHopePage559b

Essa história faz parte do segundo volume de uma coletânea do escritor francês chamada Os Contos Cruéis   (1883), muito influenciada pelo estilo de escrita de Edgar Allan Poe ( também listado aqui). Na história, o      rabino Aser Abarbanel é condenado pela Inquisição a se arrepender por seus pecados de avareza contra os    pobres e se converter ao catolicismo. Ele espera em sua masmorra quase conformado pela morte que o espera   na fogueira. Mas quando enxerga uma fresta na porta de sua cela aberta por acaso, Aser bola um plano para    fugir- e é esse plano que desespera o leitor.

 

 

 

 

 

  1. A máscara da morte rubra, de Edgar Allan Poe
    mascara-morteorig

O escritor desse já é bastante conhecido por muita gente apaixonada por terror e mistério. Considerado o pai do gênero de ficção policial e marcado por escrever histórias relacionadas com o lado sombrio e sobrenatural dos seres humanos, Poe coloca nesse conto a vida de um príncipe que é punido pela própria hipocrisia. Próspero é um jovem rico, saudável e indiferente que se isola com os amigos nobres em uma abadia depois de perder metade dos habitantes de sua cidade para uma terrível peste. Quando quase todos os moradores estão para morrer,ele dá uma baile de máscaras para os seus convidados isolados, seguro de que nada pode acontecer- já que estariam trancados. No entanto, os planos de Próspero são atrapalhados por um convidado que entra sem que ninguém perceba.

 

 

  1. A selvagem, de Bram Stoker

    Iron Maiden   Esse conto do autor de Drácula (1897) assusta não só por conter descrições bastante sádicas dos cenários e    acontecimentos, mas também pelo protagonista Elias P. Hutcheson, americano extremamente hipócrita e    racista que tem orgulho de fazer carteira com o escalpo de mestiços e se excita falando sobre os índios que  matou. Acompanhando um casal de europeus – que percebe que ter uma terceira pessoa babaca na viagem  enchendo a paciência serve só para lembrar como é bom viajar a dois- em um passeio por um castelo na cidade  de Nuremberg, Hutcheson decide “fazer uma brincadeira”:  Jogar uma pedra no fosso do castelo para assustar  uma gata preta e seu filhote. A pedra mata o filhote por acidente e a gata, furiosa, é enxotada para longe do  americano. Depois de um tempo, os três turistas se distraem com os instrumentos de tortura do castelo e  decidem conhecer de perto a Virgem de Ferro, ferramenta mais diabólica do lugar. Enquanto isso, a gata ( com  uma origem diferente do que se pensa)  aproveita a distração para encontrar a hora certa de se vingar.

7.  A janela vedada, de Ambrose Bierce
biercegraphic

Somos apresentados à história de Murlock, velho misterioso e carrancudo que vive enfurnado no    interior de uma floresta americana, transformado em um mito sombrio pelos moradores de uma     vila próxima. Aparentemente, ele é simplesmente um velho ranzinza e antissocial. Mas, conforme  a narrativa se desenrola, vamos descobrindo que uma parte pouquíssimo  conhecida da vida de  Murlock dá à ele um motivo extremamente obscuro para vedar a única janela  de sua casa que lhe  deixa ter contato com o mundo exterior.

 

 

 

  1. O poço e o pêndulo, de Edgar Allan Poe

    pit-pendulum
    Assim como o número 10 da lista, a história também se passa no ambiente da Inquisição  espanhola. Um  homem condenado por inquisidores é brutalmente torturado até ser atirado em  um calabouço completamente  escuro. A partir disso, se inicia o forte incômodo psicológico da    trama: o homem não enxerga absolutamente  nada dentro de sua cela e consegue apenas tatear    um poço extremamente fundo no centro do cômodo. Ao  acordar de um sono perturbado,  descobre que as luzes foram acesas e que está amarrado em uma cama  voltado para um pêndulo  que balança ao longe. A sensação de claustrofobia do leitor começa a aumentar  quando o homem,  depois de achar curioso o fato de um pêndulo estar sobre ele, percebe que na verdade o  objeto  está se aproximando cada vez mais para o centro de seu peito.

     

E aí? Gostaram? Se sim, curtam, compartilhem e comentem! Segunda que vem, chega a segunda parte dos contos!







 

Olá, Psychos! Estavam sentindo falta de playlist aqui no blog? Porque eu estava, e finalmente tomei vergonha na cara e criei uma conta no tal do spotify, agora finalmente posso fazer várias playlists com músicas calmas e tranquilas ou como meus amigos preferem falar “músicas para dormir”, mas me deixem, ta? haha. E aposto que não devo ser a única que goste deste tipo de som. É um super a calmante, não que uma taurina precise disso, mas ok.

Enfim, chega de enrolação e confiram a playlist, espero que gostem. 🙂

Tess Parks

Meu namorado me apresentou essa cantora, ele me conhece bem, não é mesmo? Nem preciso dizer que amei.

First Aid Kit

Duas cantoras que conheço faz um tempinho. Além desta música gosto muito de uma outra chamada “Wolf” depois procurem, sério, ela é muito boa.

Angus and Julia Stone

Eu não sei se eles são um casal ou irmãos alguém sabe, por favor? haha. Aliás sei que eles tinham planos para shows aqui no Brasil, mas tiveram que cancelar. Chatiadissima.

Aurora

Acho que vocês já estão cansados de verem a cara dela aqui em praticamente todas as minhas playlist, mas o que fazer se a Aurora está virando uma das minhas cantoras favoritas?  coracao-1_xl

Lucy Rose

A Lucy nem precisa de apresentação aqui no blog, não é mesmo gente? Sou muito fã do trabalho dela e de sua voz, calma e suave. Daquelas que você coloca o cd numa viagem de carro e só vai.







 

making-a-murderer-1200x713
Hoje vim comentar de uma série documentário que está todo mundo comentando, mas não tem como não falar. Making a Murderer. Eu criei curiosidade sobre ela por causa do tema, como vocês sabem eu amo assunto que envolvam assuntos policias, ainda mais policiais corruptos. Mas antes de chegar nesse ponto, vou dar uma resumida na história de Steven Avery, o personagem principal desta história.

Steven Avery (nascido em 9 de julho de 1962) é um americano de Manitowoc County, Wisconsin, que ficou 18 anos preso por estupro em 1985. Mas em 2003 ele foi solto, graças a um exame de DNA, que provava que ele era inocente, e quem tinha cometido o crime tinha sido outro homem.

Logo no começo do documentário já acompanhamos a saída dele da prisão e de como ele foi um dos exemplos de mal conduta de investigações entre o sistema jurídico e policial dos Estados Unidos ( e se vocês pesquisarem um pouquinho no google irão perceber que ele foi mais um número entre vários outros). Basicamente, por ele morar em uma cidade pequena e arrumar algumas confusões o xerife tinha bronca dele então ele queria se livrar do encrenqueiro da cidade. Para ficar mais claro. Este problema jurídico nos EUA de mandar inocentes para prisão é tão grave que lá existem ONGS e advogados que trabalham só para pegar este tipos de casos! 

making-a-murderer
Obviamente que Avery processou todos os envolvidos em sua condenação injusta, mas não demorou muito para logo ele ser acusado de outro crime. Desta vez de homicídio.

Foi em 2005, no meio dos depoimentos para sua ação civil contra o departamento do xerife de Manitowoc County, que Avery foi acusado e preso pelo assassinato da fotógrafa Teresa Halbach. Ele foi condenado em 2007 e sentenciado á prisão perpétua sem liberdade a condicional. O caso está sob recurso a partir de janeiro de 2016, e uma nova equipe de advogados de defesa foi anunciado, Katheleen Zellner e Tricia Bushnell.

12573820_1675193849425714_3220749348562625108_n

Montagem linda e maravilhosa dos advogados (da época) do Steven

O que intriga durante o documentário é a falta de algumas provas e a certas coisas que ficam na cara que foram combinadas, só assistindo a série para vocês poderem entender melhor. Outro ponto muito horrível nesta história toda é de como eles (investigadores) usaram e abusaram do sobrinho de Steven, Brendan Dassey o acusando sem nenhuma prova física e o sentenciaram a prisão perpétua também!

O foco da série é toda a parte jurídica, as provas e as descobertas maravilhosas que os advogados fizeram ( e que os policias não foram capazes). Making a Murderer foi lançado em dezembro de 2015, e tem cerca de 10 episódios, dirigido por Laura Ricciardi e Moira Demos.

Curiosidade: Steven pediu para assistir ao documentário, mas foi negado. Por que será ? Enfim, fiquem com o trailer abaixo e com o primeiro episódio disponível no youtube também.