Olá, pessoal ! Chegamos à parte final do especial com contos de terror. Seguindo a tradição, deixei o melhor para o final.  São esses os cinco contos de terror mais legais e perturbadores que já li. Aí vai !

  1. O cone , de H.G Wellssr-horrocks-e-o-sr-raut

    Horrocks é um siderúrgico  poderoso e  autoritário que escuta em sua própria casa a esposa declarando seu amor  por  Raut, um amigo da família. Sem saber se ele tinha escutado realmente a declaração, Raut e a esposa de  Horrocks  decidem fingir que nada aconteceu, já que os três mantinham uma relação de amizade. Para tentar  consertar o  problema, Raut diz que só tinha ido até a casa dos dois porque o amigo tinha que mostrar uma  paisagem incrível,  vista apenas entre as chaminés de uma das siderúrgicas que Horrocks administrava.  Dissimulado, Horrocks diz que  vai aproveitar a chance para mostrar ao amigo ” o cone”, uma das coisas mais  incríveis já feitas- que vai servir bem  para uma vingança.

 

4. O rapa-carniça, de Robert Louis Stevenson

The-Body-Snatcher

Confesso que fui atraída para ler o conto mais pelo nome diferente que por qualquer outra coisa, mas tive uma surpresa muito positiva lendo a história. Fattes e MacFarlane são dois estudantes de medicina que ganham prestígio e popularidade como assistentes de um professor fazendo serviços nada honestos: roubando corpos. Apesar de ficarem bastante em dúvida durante um tempo sobre manter ou não o trabalho, acabam se acostumando e perdendo a empatia em relação aos outros. Um dia, ambos descobrem a chance de roubar um defunto recém-enterrado em um cemitério. Os dois fogem levando o corpo, no entanto, descobrem que existe algo de muito errado com o cadáver  que estão carregando.

 

 

3. O gato preto, de Edgar Allan Poe

e_a__poe__s___the_black_cat___by_pika_la_cynique Quando li da primeira vez fiquei relativamente nervosa porque se trata de um conto que descreve bem a perversidade e a  loucura do ser humano com cenas bastante gráficas. É inevitável não imaginar o tamanho da crueldade que o protagonista  aplica nos outros personagens ao redor. Somos conduzidos pelo  relato de um homem alcóolatra que conta a maneira com que  sua vida se alterou radicalmente depois de ser consumido pelo vício. Cada vez mais insano, o homem ( que faz com que o leitor  morra de vontade de que ele seja castigado) acaba por descontar a sua fúria infundada em Plutão, gato de estimação que se  torna uma vítima depois de provocar nele inúmeras mudanças de humor. No entanto, a morte do gato- e também os outros  crimes que cometeu- traz à ele uma série de pesadas consequências que fazem a loucura bater ainda mais à sua porta por causa  de um remorso avassalador.

 

 

A família do Vurdalak, de Aleksei Konstantinovitch Tólstoi

capa vurdalak 2

O autor não é o  mesmo Tólstoi de Guerra e Paz e Anna Karenina, mas nem por isso a história deixa de ser boa. Somos  apresentados a um grupinho de pessoas reunido em torno de uma fogueira para ouvir as aventuras do Conde de Urfé, diplomata muito viajado. O  conde, incentivado pela companhia dos amigos, decide contar sobre o tempo em que ficou hospedado na casa de  uma família sérvia e escapou de ser devorado por vampiros.
O vurdalak, vampiro da história, é daqueles bem tradicionais que ressucitam depois de dez dias e precisam de permissão    para entrar na casa da vítima, que ele convence na base de jogos psicológicos extremamente fortes. É realmente muito legal  ver como evoluem os jogos e argumentos com os personagens que tentam resistir. Depois de uma batalha contra um grupo  de malfeitores turcos, o patriarca da família morre e seus filhos acabam ignorando o aviso de que deveriam matá-lo caso  retornasse fora do prazo previsto, permitindo que ele entre e saia da casa quando deseja.
A partir daí, o pai manipula e aterroriza todos os parentes para que façam o que ele quer. Enquanto o Conde tenta achar um meio de fugir para não ser devorado vivo, o cerco vai se fechando cada vez mais no entorno da família.

1 a mão do macaco , de W.W. Jacobs

crbst_HERBERT_201 Eis o campeão de pavor noturno e olhadas desconfiadas para o cabideiro no quarto durante a noite. É um conto que fala  principalmente sobre como o destino rege a vida das pessoas e como podemos nos arrepender por tentar alterá-lo. Não sem  motivo, é um dos contos de terror mais famosos de todos os tempos. A família White recebe Morris, militar britânico voltando  de uma viagem à Índia. Durante a visita e o bate-papo, o oficial decide desfazer-se de um amuleto macabro que carregava,  causando curiosidade nos demais. O amuleto- a mão enfeitiçada de um macaco- seria  responsável por realizar 3 desejos ao  seu dono, mas conceder 3 horríveis consequências. Ao ver Morris jogando a mão na lareira, o sr. White pede para ficar com  ela. Relutante, Morris aconselha que o amigo volte a colocá-la no fogo e não mexa com a mão enfeitiçada. Ignorando o pedido,  assim que Morris vai embora White testa o amuleto e pede à mão  que a hipoteca de sua casa seja paga. No dia seguinte, o  casal tem o desejo atendido da pior maneira que podiam imaginar. Na tentativa de consertar o que foi feito, eles pedem  novamente a ajuda da mão. Mas nenhum deles realmente esperava o que poderia acontecer por conta do novo pedido.

 

Gostaram? Curtam, comentem e compartilhem! Se tiverem vontade de ler os contos na íntegra,  é possível encontrar os contos citados aqui em livros à venda em livrarias ou sebos:

Contos de Horror do Século XIX (2005), organizado por Alberto Manguel. Companhia das Letras. Tradução: conto traduzido por Nina Horta.

Histórias Extraordinárias (2011), de Edgar Allan Poe.  Saraiva de Bolso. Tradução de Clarice Lispector.








Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *