scaled_we_can_all_do_it_cinese

Hoje é o dia internacional das mulheres, mas será que é um dia para se comemorar?

Em um país aonde nós não podemos nem sair com a roupa que queremos que somos assediadas, em um país aonde as mulheres sofrem de violência física e psicológica da parte do companheiro, aonde continuamos ganhando menos no mercado de trabalho, sendo estupradas, sendo objetificadas. Aonde não temos direito e poder nem no nosso próprio corpo e útero.

E quando ligamos a televisão? Sempre vemos comerciais felizes e contentes,  romantizando e mostrando a nossa “função” perante a sociedade, cozinhar, cuidar dos filhos, e do querido maridão, é claro. Ou então aqueles comerciais de cerveja, como a  da “mulher verão”, em que mostra os homens quase tendo um orgasmo quando a mulher passa para deixar a cerveja para eles. E na novelas? Sempre tem uma mulher como vilã, destruidora de “lares”, e mulheres se odiando e disputando algum homem. Aonde vemos em diversas cenas o personagem homem tendo um ataque porque sua mulher o “desobedeceu”, e foi sambar numa escola de samba (episódio da novela Império, desliguei a tv depois dessa cena ridícula).Também temos o Comendador, mais conhecido como “comedor” nas redes sociais. Aonde vemos que está tudo bem ele ter duas mulheres, mas quando a mulher dele quis se envolver com outro foi um escândalo. E claro, mesmo ele tendo pisado e traído a mulher ela continua devotada a ele. E antes que eu me esqueça, a tv, principalmente um canal aberto, muito famoso entre a nossa sociedade amam objetivar as mulheres negras, deixando com aquela imagem “hey gringo, pode vir, que aqui tem negra pra todo mundo”.

Mas e as redes sociais? Não sei vocês, mas sempre vejo comentários masculinos, e até das próprias mulheres (sim existem mulheres machistas), sobre outras mulheres, chamando as de vaca, e dizendo para se dar o respeito. Ou julgando as mulheres que postam determinadas fotos na internet e seguem algum estilo de vida diferente do deles. E tudo piora quando algum metido a machão, comedor, divulga fotos nuas da atual ou ex companheira nas redes sociais , o que vemos, SEMPRE, escrito nos comentários? “Puta, vagabunda”, e o homem que expôs a intimidade dos dois? Ele continua sendo o fodão.  E quando surge uma campanha contra fotos intimas na internet é sempre ensinando nós, mulheres, a não tirar fotos nuas, e quase nunca tem uma ensinando aos homens a deixaram de serem babacas, e respeitarem a privacidade, intimidade, e principalmente as mulheres. Isso se enquadra, também, a história do “olha como você ta vestida! Ta pedindo pra ser assediada”.

Mas será que o problema só está no Brasil? Na sociedade brasileira? Claro que não. A índia tem um caso famoso aonde uma jovem que saia do cinema com o seu amigo foi estuprada, dentro do ônibus, e morreu quando os violentadores colocaram um tipo de barra de ferro, dentro das genitais, que estourou todos os seus órgãos. E nesses dias, saiu uma entrevista com um dos estupradores que disse que ela só morreu porque reagiu. Temos mulheres também que são condenadas a morte por terem se apaixonado por um homem de religião diferente da sua, mulheres que são vendidas e obrigadas a virarem escravas sexuais, mulheres que tem seus rostos desfigurados porque o maridão jogou ácido nele,  mulheres que são estupradas dentro das universidades. E infelizmente muitos, e muitos casos parecidos e piores do que estes.

Infelizmente se eu continuar esse post não terá um fim. Eu só queria deixar registrado aqui o que penso sobre esse dia, e sobre diversas coisas.  E queria registrar aqui que não, a mulher não saiu vestida na rua para te atrair, nem toda mulher quer casar (eu sou um ótimo exemplo disto), nem toda mulher quer ter filho (novamente eu, junto com a Dandara somos exemplos disto), nem toda mulher gosta de maquiagem, nem toda mulher gosta de homem ( ela não gosta e ponto, e não tem nada a ver porque ela não experimentou um pinto), nem toda mulher é “feminina”, nem toda mulher é delicada, nem toda mulher é magra, nem toda mulher tem cabelo lisos e “perfeitos”, nem toda mulher gosta de flores, bichinhos de pelúcia e qualquer coisa que seja automaticamente ligado sendo como um objeto feminino, e principalmente, nem toda mulher quer fazer sexo com você.

Vale lembrar aqui também, que a mulher “puta” tem o mesmo valor ,e é tão foda e poderosa, quanto uma mulher de “direito”, que tem família, e que frequenta a Igreja. Só pra constar que as duas tem o mesmo valor.

Então deixa eu te dar uma dica final, invés de você dar uma flor, chocolate a alguma mulher hoje, não dê, e não dê nem parabéns, porque ainda não temos motivos para comemorar enquanto essas coisas continuarem acontecendo. Cabe a você saber se vai ajuda-la nessa luta, ou se vai continuar em seu faz de contas. Nós não queremos homenagens, nós queremos direitos. 

10981509_587218568079941_7653001463256928473_n
Se você se interessou pelo o assunto deixarei abaixo algumas matérias interessantes.
Brasil está em 7 lugar entre os países que possuem o maior número de mulheres mortas
Em Minas, 17 mulheres morrem por dia vítimas de violência doméstica
MA já registrou 1.300 processos de violência contra mulher em 2015
Mulheres mortas por violência doméstica em 2015
Pesquisa da Onu aponta que
90% das indianas de Déli têm medo de sair na rua

E se você ainda estiver interessado é só dar uma olhada no google, grupos feministas no facebook, ou comentar aqui em baixo e chamar a gente por facebook, adoramos debater sobre o assunto. coracao-1_xl








Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *