fim de ano

 

O fim de ano pode ser um momento agradável de férias com a família, mas para algumas pessoas pode ser uma experiência nada agradável com parentes menos agradáveis ainda. Nem eu, nem a Lena somos pessoas muito uhuuuuul família tradicional brasileiro, muitooooooooooooooooooooo pelo contrário.

E pensando em pessoas como nós escolhi três séries para ocupar a cabeça e não matar aquele tio inconveniente cheio de piadinhas racistas, machistas e homofóbicas. As séries da lista terão resenhas em 2015.

1. The Newsroom

Sinopse:
Na trama, a visão empresarial da executiva Leona Lansing, CEO da empresa dona do canal de notícias por assinatura UBS, se chocará com os ideais das pessoas que fazem o noticiário, a começar pelo âncora Will McCallister. Emily Mortimer vive a produtora Mackenzie MacHale e Sam Waterston é o presidente da emissora, Charlie Skinner. Alison Pill, John Gallagher Jr., Olivia Munn , Dev Patel e Thomas Sadoski formam a equipe editorial.

Qualquer ser humano interessado em mídia e comunicação deveria assistir esse seriado. É bem difícil conseguir chegar ao nível de jornalismo proposto pelos personagens da série, ainda mais com interesses econômicos intimamente ligados com o nível da audiência. Mas a série é brilhante, está na terceira temporada e te inspira a ser o melhor jornalista da face da terra em todos os episódios (se você tiver algum interesse na área né). Os casos noticiados pelo telejornal da série são reais.

A primeira temporada tem 10 episódios, a segunda tem 9 e a terceira está no 6º episódio, cada um com quase uma hora de duração, então dependendo do seu nível de desespero familiar, 2015 vai chegar rapidinho. E eu quero ser o Will McAvoy quando eu crescer <3

2. The 100

Sinopse:
Situada 97 anos no futuro, a história mostra uma civilização destruída pela guerra nuclear. Quando ocorreu o holocausto, cerca de 400 pessoas viviam em doze estações espaciais internacionais. Eles se tornaram os únicos sobreviventes da raça humana. Com o passar dos anos, novas gerações surgiram e agora eles são 4 mil habitantes que se amontoam na Ark, nome dado às doze estações que se uniram.
Para tentar sobreviver, regras rígidas foram adotadas, incluindo pena de morte e controle de natalidade. Agora, os líderes da Ark planejam enviar à Terra 100 deliquentes juvenis com o objetivo de avaliar a qualidade de vida no planeta.

Imagine 100 pessoas entre 17 e 18 anos livres pela primeira vez na vida, podendo começar uma nova sociedade, com novas regras e tudo mais? The 100 poderia inspirar um novo tratado de análise social e como o ser humano sente a necessidade de estar em guerra com grupos que considera “diferentes”, tudo em nome da “segurança nacional”. Eu amo essa série, está na segunda temporada e todos os episódios são de tirar o fôlego. Pode ser útil como um “A arte da guerra” moderno para sobreviver nesse fim de ano.

3. 2 Broke Girls

Sinopse:
A série narra a vida de duas garçonetes Max, uma garota pobre (que também trabalha como babá para uma socialite), e Caroline, que nasceu rica mas perdeu tudo. As duas se tornam amigas quando começam a trabalhar juntas em um restaurante. Elas tem um sonho de abrir um loja de cupcakes, para isso precisam juntar 250 mil doláres, a cada episódio é mostrado a dificuldade que elas têm em pagar as contas e tentar economizar para realizar o sonho de suas vidas. O humor da série se da, principalmente, nos momentos em que Max apresenta à Caroline coisas do cotidiano de um bairro pobre, que ela jamais havia vivenciado, e Caroline apresentando à Max costumes sofisticados.

Nunca assistiu ou nunca ouviu falar dessa série? Em que mundo você vive??? Não preciso te convencer a começar a assistir 2 Broke Girls, Max Black já fez isso por mim no vídeo acima.

As sinopses e os seriados estão disponíveis aqui.

 








Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *