Author: Helena Jimenez

 

1481869790_oa
The OA basicamente é mais uma série sem pé e cabeça do Netflix. Ela é estadunidense e seus temas principais são: drama, suspense e ficção científica. Criada e produzida por Brit Marling e Zal Batmanglij, sendo sua terceira colaboração, e distribuída mundialmente pela Netflix.

A série é produzida pelos estúdios Plan B e Anonymous Content. Na série, Marling estrela como uma jovem, chamada Prairie, que, ao ser encontrada depois de sete anos, se auto intitula “OA”, e pode enxergar, mesmo que antes de desaparecer fosse cega.

20161213153201659606a

A trama gira em torno desta jovem Prairie Jonhnson (Brit Marling), que retorna para sua cidade sete anos após desaparecer misteriosamente – porém, há um detalhe ainda mais bizarro: Prairie era cega quando desapareceu, e agora consegue ver. Há indícios de que Prairie se lembra do que aconteceu, mas se recusa a falar de seus sete anos desaparecida com a polícia ou com sua família.

A primeira temporada foi disponibilizada em 16 de dezembro de 2016 e possui oito episódios com cerca de uma hora cada. A série foi bastante elogiada pela critica e pelo publico por suas cenas filosoficas e suas tramas sobre ressurreição.

58593f93aca0591e008b4c1b-1920

Outro ponto muito legal da série é sua fotografia que é maravilhosa e cheia de paisagens incríveis. Que cativa muito quem estiver assistindo. Além da historia, claramente, em que você fica a cada ep se perguntando o que está acontecendo. E o final é um pouco irritante, tenho que admitir, mas espero que tenha uma segunda temporada. Sério.

Abaixo deixei o trailer para vocês terem uma noção.

Onde assistir: NETFLIX








 

large-3
Pensei em preparar essa pequena playlist para ajudar vocês na escolha das músicas do ano novo, caso vocês estiveram dando uma house party ou algo assim. Então separei algumas músicas que escolhi para minha própria festa e espero que vocês gostem. 🙂








 

large-2
Provavelmente quando vocês estiverem lendo este texto eu já vou estar arrumando os últimos detalhes, ou no portão de embarque ou até mesmo dentro do avião, voltando para o Brasil. E só de estar escrevendo isto já me da um friozinho na barriga, não o mesmo frio que eu tive quando vim para ca, mas um frio do que está por vir do meu futuro. Também tem um mix de triste e de felicidade.

Felicidade porque finalmente vou poder rever meus animais/filhos que não vejo à 7 meses, rever meus amigos e alguns familiares. Rever meu país e a minha cidade que tanto amo. Comer a comida do Brasil que não tem igual e entre tantos outros fatores que não cabe num texto, e já traz um sorriso enorme no meu rosto. Mas ao mesmo tempo fico triste, pois vou deixar aqui pessoas ótimas que me ajudaram, riram comigo e estiveram comigo nesse tempo. E acabaram se tornando uma parte muito importante da minha vida. Como eu sempre digo casa são pessoas, nenhum lugar tem o mesmo valor e significado se não tem as pessoas queridas ali.

Neste texto eu também quero falar da Helena de alguns meses atrás e da Helena de agora. Ano passado foi um dos piores anos para mim, não vou entrar em detalhes, mas posso dizer que por motivos pessoais e por eu estar totalmente desmotivada na minha área profissional contribuíram muito para isso.

Eu estava sem rumo, e as únicas duas certezas que eu tinha era que eu algum dia queria publicar meu livro e que queria vir para Londres. Porque era um sonho que eu tinha dês dos meus 11 anos e que por motivos da vida sempre ficavam para depois. E para “quando terminar a faculdade”. E finalmente quando terminei a faculdade, adivinha? Eu não fui. Tive que fazer uma cirurgia (que já falei aqui no blog para vocês), que acabou sendo caro. Segura o dinheiro, procura emprego e nada de emprego.

E quase que não venho para ca, mas eu não desisti e insiste. Procurei agências fui em feira de intercâmbio e pesquisei preços e preços. Quando finalmente acertei tudo e vim. Mal podia acreditar, só acreditei mesmo no dia e quando o avião aterrizou aqui.

czfx6w5xgam0npm

Quando eu cheguei aqui eu não sabia o que esperar, estava morrendo de medo de não me adaptar e não fazer amigos. Mas logo no primeiro mês ocorreu tudo bem e vi que tinha pessoas legais na minha sala. Eu vi que eu podia e conseguia falar inglês tranquilamente, mesmo errando era com eles que eu aprendia.

Viajei muito também, conheci pessoas nessas viagens que mudaram e ajudaram na minha vida. Decidi que por mais que a Helena de 17/18 anos acha-se que jornalismo era pra ela, realmente o que todo mundo sempre falou para ela estava certo no final das contas. E agora ela/eu quero fazer psicologia e vou encarar isso de cara.

Todas essas viagens, morar sozinha pela primeira vez, conhecer pessoas de outras nacionalidades, tudo isso me inspirou demais. Todo o desanimo e o desamparo que eu estava ano passado e até o comecinho desse ano se foi. A Helena que está voltando para o BR está inspirada, cheia de planos e ideias para o seu futuro.

Londres me fez me aproximar mais das minhas raízes, me aproximar mais do meu lado latino. Amar mais a minha história. E ao mesmo tempo amar aqui também.

Percebi que viajar é o que me da energia para o meu espírito, conhecer, conversar e ajudar pessoas é o que me alimenta. Se eu não tenho essas duas coisas na minha vida eu fico desmotivada e sem rumo. Por isso tenho dois planos grandes que envolvem esses dois temas. Espero poder e conseguir realiza-los.

Aqui se acaba os textos dessa minha pequena aventura morando fora. Se vocês quiserem ler os primeiros é só clicar aqui.

 

 








 

18898039946_7cf891cc26_o
Quando eu cheguei aqui na Inglaterra a minha pele e meu corpo (o que é normal) estranharam muito a mudança. Porque estava acostumado com o clima, comida e água do Brasil e derrepente tudo mudou. A água de Londres é muito ruim, eu não sei bem o porque. Mas até conversando com pessoas daqui mesmo sempre me falaram que mais para o norte a água não é assim, e todo mundo fica com a pele super ressecada.

Com a chegada do inverno isso se potencializa e a pele fica mais e mais seca. Por isso perguntei rapidamente para a minha dermato do Brasil o que poderia comprar para salvar a minha pele e ela me indicou esse creme milagroso que pode ser utilizado em qualquer parte do corpo e até para queimaduras.

captura-de-tela-2016-12-11-as-21-25-21

Como usar: Aplicar duas vezes ao dia nas áreas do corpo que necessitam de hidratação intensiva (rosto, corpo e lábios), evitando o contorno dos olhos. Pode ser aplicado em camada espessa.

Sua textura de início é muito similar ao bepantol, mas diferente dele este produto se absorve a pele rapidamente assim que espalhado sob a pele. Sua cor é branquinha e não tem cheiro.  Além de render muito! coracao-1_xl

Eu comprei aqui cerca de alguns meses atrás, então não lembro quanto paguei. Mas procurei no Brasil e eles vendem ai também, e não está com preço ruim. O de 20g perfeito para levar na bolsa está custando R$ 29,61. Para saber mais é só acessar o site da própria marca clicando aqui.