Author: Helena Jimenez

 

Como vocês sabem ano passado no meu trabalho de conclusão de curso da faculdade meu tema foi sobre serial killers, então eu li diversos livros sobre. E se bem que me recordo eu tinha prometido a vocês que iria listar os meus preferidos aqui à vocês. Então aqui está. Espero que gostem da lista. 🙂

Serial Killers: Louco ou Cruel?

Louco ou cruel

A primeira parte de Louco ou Cruel aborda os serial killers sob diversos aspectos e à luz da Criminologia, do Direito, da Psiquiatria e da Psicologia, e dedica-se a dissecar este universo, analisando como tudo começa, quem são as vítimas, os aspectos gerais e psicológicos, os mitos e as crenças, o perfil do criminoso, a psicologia investigativa, a análise do local do crime e a encenação/organização da cena.

Na segunda parte do livro, Casoy apresenta em detalhes 16 casos de serial killers que chocaram e marcaram o século XX, entre eles Albert Fish, Ed Gein, Ted Bundy, Andrei Chikatilo, Jeffrey Dahmer, Aileen Wuornos e o Zodíaco, cuja identidade segue desconhecida até hoje. Histórias que habitam as entranhas da humanidade e o que ela tem de pior: frieza, perversidade e falta de sensibilidade que acabam por produzir o mal em escalas inimagináveis. – Skoob

Serial Killers Made in Brazil


120459191_1GG


Após o sucesso do seu primeiro livro, Ilana Casoy dedicou-se a uma pesquisa rigorosa para investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras tupiniquins, para compor um inquietante roteiro com rigor investigativo de como, por quê e com que métodos os serial killers brasileiros atuam.

Em Made in Brazil, Casoy relata sete casos de serial killers brasileiros, três dos quais ela entrevistou pessoalmente: Marcelo Costa de Andrade, o vampiro de Niterói, um dos casos e depoimentos mais chocantes do currículo da autora; Francisco Costa Rocha, o Chico Picadinho; e Pedro Rodrigues Filho, o Pedrinho Matador. Um relato cruel feito pelos próprios assassinos, conduzido com maestria por quem entende do assunto, que procura guiar o leitor pela sinuosa mente de pessoas frias e com movimentos mais que premeditados para o mal. Além deles, a autora se debruça sobre a vida e os crimes de José Augusto do Amaral (Preto Amaral), Febronio Índio do Brasil, Benedito Moreira de Carvalho (Monstro de Guaianases) e José Paz Bezerra (Monstro do Morumbi). Skoob


A enciclopédia de Serial Killers

51X3Lpnm+SL._SY344_BO1,204,203,200_

O fenômeno de assassinatos em série sempre foi considerado, ao mesmo tempo, o mais macabro e o mais fascinante ramo da criminologia moderna. Apenas recentemente autoridades policiais, psicólogos e cientistas removeram o véu de mistério para desvendar os segredos, os motivos e os perigos que os serial killers escondiam.

A Enciclopédia de Serial Killers traz à tona esses criminosos e seus hábitos horrendos. Trata-se de um instrumento inestimável ao entendimento e ao combate da mais cruel atividade criminal, com mais de 240 verbetes detalhados, 70 fotos, além de vários apêndices.

Entre os assuntos abordados estão:

Estudos dos casos de assassinato em série notórios e os monstros criminosos que os perpetraram; Figuras-chave policiais e técnicas utilizadas para apanhar suas presas; A psicologia do assassino serial – o que faz de alguém um assassino;  Como as sociedades lidam com os serial killers e os punem; Diferentes tipos de serial killers e seus métodos utilizados. De “Anjos da Morte” ao Matador do “Zodíaco”, esta obra traz o estudo de um deprimente fenômeno criminoso: o serial killer. – Skoob

 

Caçada ao Maníaco do Parque

cacada-ao-maniaco-do-parque-luisa-alcalde-213801-MLB20421403610_092015-F

História verídica de um dos mais bárbaros episódios da crônica policial brasileira. Escrito a quatro mãos pela jornalista Luíza Alcalde e pelo investigador de polícia Luís Carlos dos Santos, relata os crimes do motoboy Francisco de Assis Pereira, um serial killer que violentava e matava suas vítimas no Parque do Estado, região sul da capital paulista. – Skoob

Esses foram meus livros favoritos, se vocês já leram alguns desses ou se gostam deste tipo de lista de leitura aqui no blog comentem aqui para assim eu sempre fazer mais para vocês. coracao-1_xl








 

large-2
Ontem foi o dia internacional da mulher e essa semana inteira será marcada por ser a semana da mulher. E vocês que acompanham o blog sabe muito bem o meu posicionamento sobre o tema feminismo, etc. Logicamente que ontem engloba este dia, ou você acredita que ganhamos ele de graça? Bom, mas o recado que quero dizer é que não queremos flores, chocolates e sim respeito e igualdade. E por isso separei alguns vídeos que vi ontem e me inspiraram muito. E tive que compartilhar com vocês. coracao-1_xl

  • Por que você precisa do feminismo? – Capricho

  • Malala – Uma menina. Entre muitas.

 

  • Toda mulher vale muito  – Loreal

  • Não é pra sair MESMO

  • O básico que todo ser humano deveria ter


Gostaram da seleção? Se vocês viram algum vídeo em homenagem ao dia da mulher compartilha aqui comigo adoraria ver. 🙂








 

The-Hunting-Ground-Logo

Imagine o seguinte: você acaba de entrar na universidade que sempre sonhou, e que praticamente todos seus familiares fizeram, ou então foi a primeira a da família a cursar uma. Ótimo, tudo parece ótimo, amigos, festas, e conhecimento até a conclusão do mesmo. Mas nem tudo segue este rumo. Sabiam que o segundo crime mais recorrente em universidades é o estupro? Pois bem, é exatamente isso que o documentário aborda.

Com diversas denúncias sobre os casos de estupro nos campus universitários americanos, mas nenhum solucionado, o longa explora os problemas com as administrações dessas instiuições, que se preocupam mais encobrir os fatos do que resolvê-los. É composto por depoimentos das sobreviventes, mostrando um retrato de como as pessoas que sofrem esse tipo de violência lutam por justiça e educação, apesar de tudo que passou e continuam a passar.

thehuntingground3

The Hunting Ground é um documentário real e extremamente pesado de se assistir, por mostrar como a “humanidade” pode não ter nada dela. Mas é de extrema importância, afinal todo mundo deveria saber desta realidade.

Regido por Kirby Dick, o longa mostra a nós que estes casos não ocorreram em uma única exclusiva faculdade, e sim em diversas faculdade dos Estados Unidos. Até as mais notáveis, como Harvard, Yale, entre outras. Ou seja, é um problema nacional. E a parte crucial e principal do documentário se dá na descaso destas instituições sobre os casos relatados, o que é para muitas das sobreviventes, é a pior parte do crime.

Após das denúncias, além de toda dor física e emocional decorrente do abuso, a grande maioria ainda tiveram que lidar com humilhação, ameaças virtuais, e aquelas perguntas típicas de culpabilização da vitima: “com que roupa você estava?”, “você não bebeu demais?”, “por que não reagiu?”, “estava claro que o que havia entre vocês era só amizade?”. Sem contar que como, geralmente, os estrupadores são conhecidos das vítimas elas encontram com os mesmo no campus da universidade ou na própria aula. Já que as instituições não tomaram providencias sobre o criminoso.

Duas alunas, Annie E. Clark e Andrea L. Pino cansaram destas injustiças e começaram a trabalhar juntas para cessar essa epidemia de estupro. Procuraram formas judiciais que forçassem as universidades a tomarem providências, ligaram os pontos, e juntas formaram um suporte valioso para outras sobreviventes.

Lady Gaga que também é uma sobrevivente se juntou ao documentário, e ajudou na produção da música tema. Que tenho que admitir que toda vez que eu ouço cai uma lagrima, a letra é muito impactante. Aliás, concorreu ao Oscar deste ano e teve uma apresentação lindíssima, que juntou 50 sobreviventes no palco. Fazendo todo mundo da plateia chorar. O vídeo está aqui abaixo para vocês verem.coracao-1_xl

 


Onde Assistir: Netflix

 








 

IMG_2452
Olá gente, tudo bom com vocês? Espero que sim. Bom, fazia muito tempo que estava desejando um protetor térmico para meu cabelo, pois estava sentindo que ele ficava muito elétrico e frisado toda vez que usava secador ou a chapinha. E não pesquisei nenhum em especial na hora da compra, simplesmente fui a farmácia e vi este da Amend desfrisante lá. E como já tinha lido/ouvido que produtos desta marca eram bons e de preços acessíveis resolvi testar.

O que promete:
Protege os fios de alta temperatura de secadores e chapinhas, promovendo cabelos mais lisos, sedosos e com volume ideal, através de Silicones Especiais presentes em sua composição. Contém Queratina.

Modo de Usar:
Após lavar seus cabelos com shampoo e condicionador, aplique o Protetor Térmico nos cabelos, no sentido da raiz às pontas e inicie o processo de escova. No caso do uso da chapinha, após o término da escova, finalize com a prancha alisadora.

IMG_2453

O que eu achei foi que funcionou muito bem para o meu cabelo, claramente que não passo todos os dias, porque como muitos de vocês sabem secar o hair todos os dias estraga, então eu dou folga para o meu queridinho. Adorei o fato que tem queratina, pois isso para quem tem cabelo descolorido é ótimo! E também amei o fato que não é testado em animais. coracao-1_xl A composição é  de cor branca e um pouco densa,  e o único defeito é que o cheiro é um pouco enjoativo, mas não impregna no cabelo, então ta tudo certo.

Paguei R$25,50, e vocês podem encontrar em qualquer farmácia e perfumaria. Qualquer dúvida vocês podem me perguntar abaixo. 🙂








 

IMG_2385
Quem é que nunca ouviu falar de Tim Burton? Ou pelo menos dúvido que nunca viu seus filmes como “Edward Mãos de Tesoura” , “O Estranho Mundo de Jack”, “BeetleJuice”, são apenas alguns dos grandes sucessos. E os fãs podem comemorar, pois dês do dia 4/2 o Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo recebeu a exposição “O Mundo de Tim Burton”, que reúne cerca de 500 itens do acervo pessoal do diretor, entre vídeos, cadernos de roteiro, storyboards, bonecos e desenhos, e muito mais. Ou seja, está demais e ta valendo muito a pena!!

Eu fui numa quarta-feira às 5 da tarde, não sei se era por conta do horário e porque estava chovendo, mas não peguei fila como muitas pessoas estavam relatando. Mas já aviso que como é um grande sucesso,  está realmente muito difícil de se conseguir os ingressos através do site, creio que o melhor é comprar na própria bilheteria do museu.

Outra coisa muito importante que vocês precisam saber antes de entrar na exposição é que é proibido tirar fotos lá dentro, por isso a única foto que fiz foi lá fora (essa de cima). Por isso que já deixo avisado que as fotos a seguir eu consegui porque eu aderi através do site da capricho, já que como eles eram impressa eles tiveram permissão para tira-la.

mundo-tim-burton-mis02mundo-tim-burton-mis03mundo-tim-burton-mis01mundo-tim-burton-mis04
endereço-e-horario-modelo-2Data: 4 de fevereiro a 15 de maio de 2016
Horário de visitação: 11h às 20h (terça a sexta-feira); 9h às 21h (sábados); e 11h às 19h (domingos e feriados)
Endereço: Avenida Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo – SP
Ingressos na bilheteria: Domingos R$12,00 (inteira) e R$6,00 (meia) na bilheteria do MIS. Terça-feira, entrada gratuita com retirada de senha na Bilheteria do MIS. A partir de 11 de março às sextas-feiras também terão venda na bilheteria, valor $12,00 (inteira) e R$6,00 (meia)
Ingressos antecipados: pelo site, clicando aqui.
Classificação etária Livre